Robalos e companhia

Fevereiro 12 2014

São sem dúvida os locais que os pescadores de Spinning mais frequentam ao longo do ano, desde a costa, atingindo uma sobrelotação nos meses de Verão, onde se vêm pescadores carregados do mais diverso material.

Para se pescar com algum método, é conveniente compreender e perceber porque é que os robalos frequentam estes locais, que presas procuram para se alimentarem, e porque se encontram nestes sítios e não em outro qualquer?

Lá estamos nós com os porquês, mas tem de ser assim, se queremos evoluir e ser eficazes na arte de pescar uns bons robalos ao spinning.

As zonas de rochas, são sem dúvida alguma um dos principais spots a pesquisar.

Se aliarmos a isto obstáculos naturais, pedras ilhadas, zonas rochosas que avancem mar adentro e perturbem de alguma forma a regularidade das correntes marinhas – encontramos de certeza uma zona de pesca que necessita de um olhar mais atento para tentarmos descobrir e interpretar as suas especificidades e particularidades.

 

Será de certeza um local onde poderemos encontrar o nosso amigo Robalo.

Na entrada de uma baía, ao lado numa praia, na ponta de uma rocha ele estará por aí. Contudo, às vezes a distância não é sinónimo do melhor spot, por vezes o melhor local encontra-se mesmo ali, aos nossos pés.

No Verão pela pressão humana, poluição sonora, cheiros e odores o Robalo afasta-se mais da costa durante o dia, daí só o devermos procurar antes do sol nascer ou depois do sol se pôr. Por norma.

 

Maré-baixa a nossa grande aliada

Uma vez localizado um pesqueiro que nos dá algumas garantias, o trabalho seguinte é analisá-lo mais em pormenor desde o ponto que fica a descoberto durante as marés mais baixas, as marés de águas vivas.

Comecemos então pela alimentação do Robalo: a existência ou não de presas que o Robalo caça. Se encontramos pequenos moluscos na maré-baixa já é um excelente sinal e revela a existência de um biótopo já desenvolvido.

 

Eu prefiro zonas rochosas, todavia, sabemos que nas praias mais arenosas a vida sob a areia depende dos nutrientes trazidos pelo mar ou por saídas de água doce, estas espécies adaptadas a viver no sedimento têm poucos rivais e por isso podem proporcionar excelentes pescarias de robalos se nós soubermos interpretar os sinais.

 

A acção das ondas é o factor que mais afecta o número e variedade de organismos e quanto maior a força com que as ondas rebentam, maior comedia é disponibilizada para o Robalo aproveitar.

Da mesma maneira quando pequenos ribeiros, rios ou fontes de água doce atingem a zona de marés, acontece uma reacção osmótica, ou seja, encontramos animais vindos de terra e animais vindos do mar. A vida existente esconde-se de dia e acorda à noite, onde podemos observar milhares de pequenos crustáceos anfípodes, pulgas da areia, minhocas da areia, diversos poliquetas, jovens bivalves, caranguejos pilados e pequenos camarões cinzentos, alevins e pequenos peixes, e muitos outros animais de que o Robalo se alimenta, como predador voraz que é.

 

Neste contexto teremos de possuir um bom conjunto de amostras artificiais imitativas dos peixes presa existentes na zona, e se verificamos estes sinais de vida na maré-baixa, então o início da subida será certamente um período de actividade do peixe predador, entre eles o Robalo.

Nesta situação as pequenas amostras imitativas de superfície ou jerkbaits de pouca profundidade deverão ser muito eficazes.

 

Texto original publicado em www.pescacomamostras.com

publicado por Brito Ribeiro às 15:27

Robalos e companhia pretende contribuir para uma maior divulgação da pesca desportiva nas suas várias modalidades, norteado pela responsabilidade e pela defesa de um património que, se não for devidamente protegido, corre o risco de desaparecer breve
mais sobre mim
Fevereiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28


pesquisar
 
blogs SAPO